Você está comprando um seguro patrimonial de prateleira?

4 pontos para analisar na hora de contratar ou renovar o seguro patrimonial para sua empresa. Confira!

Já se foi o tempo em que contratar seguro para empresa se limitava em adquirir algumas coberturas para os riscos básicos e rezar para não precisar usar. Hoje contamos com muitas opções, possibilidades de contratação e conceitos de prevenção de perdas, o que torna a segurança um investimento estratégico.

Se engana quem pensa que pode ser mais barato e prático optar por produtos padronizados, ou mais popularmente dito, o “seguro de prateleira”, oferecido como uma solução universal para todo tipo de negócio ou segmento. Na hora de escolher ou renovar o seguro para sua empresa é importante avaliar alguns fatores e entender se você está contratando as coberturas certas, ou se está pagando por algo que não será útil ou eficiente quando você precisar. 

Existem alguns erros comuns no momento da adesão do seguro empresarial. “O fornecimento por instituições não especializadas, a falta de conhecimento ou entendimento sobre as propostas leva o cliente a contratar coberturas que não condizem com sua realidade ou que estão com um valor de indenização insuficiente”, explica Cristiano Oliveira, especialista em seguro patrimonial na Zattar Seguros. 

“No momento em que ocorre um sinistro, vem a surpresa. Um dado incorreto, uma documentação faltante, ou um risco não incluso na cobertura, são falhas que tornam um recurso que deveria trazer tranquilidade para o segurado em uma frustração”, completa. 

Independente do porte ou segmento, algumas práticas são essenciais para tornar o seguro patrimonial capaz de garantir segurança da empresa, cumprindo seu papel de prevenir e mitigar danos, mantendo a saúde dos negócios. 

1. A importância da análise de riscos

A análise de riscos é indispensável para identificar e entender a exposição de cada empresa às ameaças existentes em sua operação. Essa verificação minuciosa que tem por objetivo determinar estatisticamente qual a probabilidade de determinado sinistro acontecer com o segurado, antes que seja determinada a apólice. 

Fatores internos e externos podem influenciar essa avaliação, por essa razão ela deve ser feita de forma individualizada, de modo que se obtenham informações precisas sobre o perfil do segurado.

Outro ponto a se observar no momento de análise de riscos são as informações passadas à seguradora. O levantamento de dados deve ser feito de forma responsável, pois, se quando acionado o sinistro for constatada alguma incoerência, como informação falsa ou omissão, podem surgir problemas para o recebimento da indenização.

2. Seguros obrigatórios e seguros necessários

Cada setor exige um tipo de proteção, por isso além de conhecer os riscos, é importante entender também as responsabilidades de cada área. 

Em muitos casos existem seguros obrigatórios – que podem variar de acordo com o número de colaboradores, região, tipo de atividades exercidas, etc .

Um exemplo é o seguro contra riscos de incêndio de bens móveis e imóveis pertencentes a pessoas jurídicas, conforme previsto no Decreto-Lei nº 73/66 e no Decreto nº 61.867/1967. Trata-se de uma cobertura para incêndio que prevê o pagamento de indenização por prejuízos ocorridos pela propagação do fogo. 

Por outro lado, existem seguros que, apesar de não serem obrigatórios, são necessários para proteger de riscos prováveis que podem trazer grandes prejuízos para as empresas. Podemos citar furto, roubo e desastres naturais. 

Também existem as modalidades que se tornam necessárias seguindo tendências observadas no mercado, como é o caso do Seguro de Responsabilidade Civil. “Com uma maior preocupação dos funcionários e clientes sobre seus direitos, percebemos uma demanda por modalidades que oferecem segurança jurídica para a empresa, diante de reclamações ou qualquer dano que seja causado a terceiros e seus bens dentro da empresa”, explica Cristiano. 

Para se ter ideia, a procura por apólices de RC Administrador, também conhecida como D&O (directors and officers), que blindam o patrimônio dos executivos contra ações judiciais, cresceu 52,6% no primeiro quadrimestre de 2021, na comparação com o mesmo período do ano anterior. 

3. Você está bem assessorado?

A contratação do seguro, independentemente de qual modalidade, ocorre com a presença de uma corretora de seguros pessoa jurídica ou de um corretor de seguros pessoa física, que são empresas e profissionais legalmente autorizados pela SUSEP para intermediar o processo.

Portanto, o papel das corretoras de seguros é interceder entre segurados e seguradoras, prestando assessoria para que tudo que esteja presente no contrato de seguro seja cumprido por ambas as partes. 

Isso significa estudar o mercado, as melhores soluções, a situação de cada cliente, acompanhar possíveis mudanças, conhecer cláusulas contratuais e esclarecer qualquer dúvida antes e após a aquisição do seguro

A corretora de seguros também poderá sugerir melhorias estruturais e boas práticas que podem ajudar a prevenir incidentes e tornar mais baixo o custo do seguro, encontrando oportunidades para otimizar os investimentos em segurança. Essa assessoria confere mais tranquilidade ao segurado.

4. Conte com  Especialistas de Verdade

Ter um especialista em seguro patrimonial é um grande diferencial na proteção das empresas. Ele atua de forma preventiva, levantando os riscos e as medidas protetivas através de consultoria focada nas especificidades da empresa analisada. 

Essa é uma garantia de ter uma operação focada na prevenção dos principais riscos levantados e de obter, caso necessário, uma apólice de seguro 100% condizente com a operação. Portanto, avalie não só a corretora, mas o profissional que irá conduzir este processo dentro da sua empresa.

Conheça as soluções empresariais da Zattar Seguros

A Zattar Seguros é especialista em seguros empresariais, dentro de diversas modalidades, como Seguro Patrimonial, Responsabilidade Civil, Engenharia, Riscos Cibernéticos, entre outros.

Clique aqui para saber mais!

Operações Portuárias: Quais são os principais riscos e ameaças para o setor?

Os portos do Brasil possuem grande importância na logística nacional e internacional: eles são um elo entre os diferentes modais de transporte de cargas e o acesso aos mercados consumidores. E mesmo diante da crise global do último ano, o segmento mostrou sua resiliência. A movimentação de cargas no setor portuário cresceu 9,4% no primeiro semestre de 2021, movimentando 591,9 milhões de toneladas, de acordo com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

O que se espera para um futuro próximo é mais desenvolvimento. Segundo o Ministério da Infraestrutura, a carteira de projetos 2021-2022 nos setores portuário, aeroportuário, rodoviário e ferroviário passa dos R$ 200 bilhões. Também podemos citar programas como o “BR do Mar”, que visam estimular o uso da cabotagem, aumentar a frota nacional e equilibrar a matriz de transportes no país. 

Se por um lado as expectativas são otimistas, por outro, essa demanda vem acompanhada pelos desafios da formação de um ambiente seguro para um desenvolvimento bem estruturado. 

Os riscos climáticos, logísticos e cibernéticos das operações portuárias

O gerenciamento de riscos tem sido uma importante estratégia para proteger empresas e negociações, prevenindo e mitigando perdas. No transporte marítimo não é diferente. Estudos recentes destacam algumas preocupações que devem pautar o planejamento de agentes portuários.

Um dos principais temas é o impacto das mudanças climáticas que devem ser cada vez mais severas, com potencial de gerar uma série de prejuízos para economia nacional. É o que alerta o estudo Impactos e Riscos da Mudança do Clima nos Portos Públicos Costeiros Brasileiros, desenvolvido pela consultoria WayCarbon em parceria com a agência de desenvolvimento alemã GIZ e com participação da ANTAQ e INPE.

Dentre os riscos analisados pelo estudo, os vendavais foram os que se mostraram como o mais crítico, considerando os cenários futuros: 33,3% (7 de 21) dos portos já possuem risco “alto” ou “muito alto” em relação aos vendavais, podendo passar para 76,2% (16 de 21) no ano de 2050.

Outra preocupação é o índice de risco de aumento do nível do mar: dos 21 portos públicos analisados, 11 deles, ou 52% dos portos envolvidos na pesquisa, sofrerão, até 2030, com risco de aumento do nível do mar “muito alto” ou “alto”, o que deixará suas instalações mais expostas a inundações, por exemplo.

Em paralelo, acidentes com embarcações ainda são um ponto de atenção, e as operações com mega-navios geram alerta. De acordo com o estudo “Safety & Shipping Review 2021” da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS), houve mais de 870 perdas de navios durante a última década, sendo que os navios de carga foram responsáveis por 40% das perdas totais.

O bloqueio do Canal de Suez pelo navio porta-contêineres Ever Given em março de 2021 foi mais um exemplo de uma lista crescente de incidentes com grandes embarcações ou mega-navios. Os navios se tornaram cada vez maiores à medida que as empresas de navegação buscam economia de escala e eficiência de combustível. No entanto, de acordo com a AGCS, as embarcações maiores apresentam riscos únicos. Responder a incidentes deste porte é mais complexo e caro. 

“Se o Ever Given não tivesse sido liberado, a recuperação teria exigido o longo processo de descarga de cerca de 18.000 contêineres, o que exigiria guindastes especializados. A remoção dos destroços do grande porta-aviões, Golden Ray, que virou em águas norte-americanas em 2019 com mais de 4.000 veículos, levou mais de um ano e meio e custou centenas de milhões de dólares,” exemplifica o estudo.

Por fim, e não menos importante, o relatório também observa que todas as quatro maiores companhias marítimas do mundo já foram atingidas por ataques cibernéticos, e com os conflitos geopolíticos cada vez mais disputados no espaço cibernético, cresce a preocupação com um ataque potencial às infraestruturas marítimas críticas, como um grande porto ou rota de navegação. 

Os principais seguros para operações portuárias

Diante dos riscos da atividade, atuar na logística marítima exige um grande preparo. Incidentes dos mais variados fatores podem gerar prejuízos expressivos e perda de competitividade nas negociações. 

Cada operação pode apresentar riscos diferentes, por isso, saber analisar tal exposição e encontrar as opções mais adequadas para proteger cada parte envolvida é fundamental para uma proteção eficiente.

Entre as principais modalidades indicadas para o ramo, podemos destacar:

  • Seguro RC Operador Portuário: Garante prejuízos pelos danos materiais e/ou corporais causados a terceiros, no interior ou entorno da área portuária.
  • RC Danos Ambientais: Proteção contra danos ao meio ambiente decorrentes de atividades industriais ou movimentação de determinadas mercadorias.
  • Responsabilidade Civil do Transportador: Seguro de cargas para empresas transportadoras para movimentação de mercadorias de terceiros.
  • Transporte Nacional: Seguro de cargas para o embarcador, proprietário da mercadoria, durante o transporte em território nacional.
  • Transporte Internacional: Seguro de cargas para o embarcador, proprietário da carga, durante o transporte internacional de mercadorias por importação ou exportação.
  • Seguro para Riscos Cibernéticos: Resguarda a responsabilidade da empresa referente a proteção, gestão e manuseio de dados e as consequências das perdas de informações corporativas.

Saiba mais sobre  gerenciamento de riscos para logística e transporte 

A Zattar Seguros é especialista em soluções para transportadoras e embarcadores na movimentação de cargas em território nacional e internacional em todos os modais.
Contamos com uma Célula Interna de Prevenção de Perdas, formada por profissionais com mais de 15 anos de experiência atuando nas principais gerenciadoras de risco do país. Entre em contato e descubra como podemos ajudar o seu negócio!

Construção Civil: 5 tendências de gerenciamento de riscos para o setor

O mercado da construção civil está vivendo um período de forte crescimento, impulsionado por incentivos em infraestrutura e a transição para práticas sustentáveis. De acordo com um relatório da Marsh e Oxford Economics, a previsão é que a indústria de construção global cresça 42%, movimentando cerca de US $ 15 trilhões até 2030.

Vários fatores contribuem para o surgimento de demandas no setor. Especialistas sinalizam a necessidade de adaptação e mitigação de riscos diante das mudanças climáticas. O aumento dos níveis do mar e o risco de inundações exigirão novas defesas costeiras, bem como esgoto e sistemas de drenagem. Edifícios e plantas comerciais podem precisar de projetos de proteção de tempestades e inundações, enquanto a infraestrutura envelhecida precisará ser revitalizada para lidar com eventos climáticos mais extremos.

A Covid-19 também contribuiu com essa demanda. A pandemia expôs deficiências em serviços públicos como saúde e assistência social, que se transformaram em maiores gastos com hospitais. Os impactos também afetaram as cadeias de abastecimento, mostrando a necessidade de construção de fábricas e armazéns

Ainda, a digitalização, que avançou de forma acelerada nos últimos anos, também pode impulsionar o segmento, exigindo infraestrutura de telecomunicações, data centers, centros de logística e varejo eletrônico.

Este boom global irá, no entanto, apresentar desafios para a construção e engenharia, especialmente relacionados à segurança. Esse cenário foi objeto de estudo do novo relatório da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS), nomeado Riscos de Construção pós-Covid, que analisou a sinistralidade no setor e mapeou as tendências de riscos iminentes e de longo prazo para o segmento. Confira abaixo cinco pontos de destaque.

1 – Uma nova era de riscos para a construção civil

De acordo com o relatório, a pandemia trouxe uma nova era de riscos para todos os setores da economia. Na indústria da construção não foi diferente. 

Apesar de uma forte recuperação do segmento, ainda existem desafios de curto e longo prazo para superar, como a escassez de equipamentos essenciais e materiais, o aumento de custos, prazos de entrega mais longos, escassez de mão de obra qualificada e protocolos de trabalho em constante mudança. Segundo a Pesquisa Internacional de Mercado de Construção 2021, as taxas do aço dispararam em alguns países da União Europeia em até 50% devido a uma combinação de aumento do preço do minério de ferro, oferta restrita e aumento dos custos de remessa.

A indústria, portanto, precisará acelerar a implementação de medidas de eficiência e controle de custos

A análise da AGCS mostra que o problemas com projetos e mão de obra

são uma das principais causas de reivindicações na construção e engenharia,

representando cerca de 20% do valor do seguro de perdas em engenharia nos últimos cinco anos. 

2 – Oportunidades em infraestrutura 

A crise da Covid-19 afetou significativamente a atividade econômica global. No entanto, com avanço nas campanhas de vacinação e melhor entendimento para enfrentamento da pandemia, os governos estão se esforçando para estimular a atividade sustentável, não apenas com subsídios econômicos de curto prazo, mas também com estratégias de longo prazo para a recuperação econômica. 

O investimento em infraestrutura há muito tempo é visto como uma estratégia importante para gestão da crise econômica, com a geração de empregos e revitalização de comunidades

Os gastos com infraestrutura exigirão capital público e privado para vários setores, a depender das necessidades e estratégias de recuperação dos países. As áreas que devem se beneficiar incluem:

  • Energia (foco na mudança de clima e o transição para fontes renováveis)
  • Telecomunicações (demanda por dados e conectividade)
  • Assistência médica (a pandemia iluminou a necessidade urgente para aumentar investimento na saúde infraestrutura em muitos países)
  • Transporte (aéreo, ferroviário e rodoviário – ligações entre global, nacional e regional)
  • Tratamento de água e distribuição

3. Sustentabilidade irá conduzir mudanças no perfil de risco

Uma transição global para um futuro mais sustentável, incluindo esforços para cortar as emissões de carbono, terá implicações profundas para os riscos na construção civil. 

De acordo com o relatório, cerca de 50% de toda a emissão de carbono de um edifício vêm da fabricação de materiais e do processo de construção. Para reduzir a pegada de carbono, será necessário adotar novos materiais e processos de construção

Esse caminho também é importante para tratar problemas que já existem. Para se ter ideia, a análise de ocorrências da AGCS mostra que incidentes com incêndios e explosões foram responsáveis por mais de um quarto (26%) dos sinistros na construção e engenharia nos últimos cinco anos:

4. Os desafios dos riscos climáticos para a construção

Eventos climáticos extremos também causaram grandes perdas nos últimos anos, devido à mudança climática e ao crescimento da atividade econômica em partes do mundo expostas a catástrofes.

É urgente que os canteiros de obras estejam mais preparados e tenham mais atenção com o impacto de desastres naturais como incêndios florestais, inundações repentinas e deslizamentos de terra.

A análise das ocorrências da AGCS mostra que desastres naturais são a segunda causa mais cara de perdas de engenharia, respondendo por 20% das ocorrências durante os últimos cinco anos:

● Fogo, explosão 26%

● Desastres naturais 20%

● Produto defeituoso 12%

● Falha de acabamento / manutenção 8%

● Erro humano / erro operacional 6%

● Outros 30%

5. Riscos Cibernéticos

O uso de tecnologia é crescente na indústria da construção. Máquinas e recursos de automatização são aplicados a cada vez mais tarefas com o uso de equipamentos e ferramentas conectadas, realidade virtual, sensores, dispositivos vestíveis e baseados em nuvem. Plataformas também estão sendo usadas para gerenciar cadeias de suprimentos, melhorar a segurança e gerenciar projetos.

Tudo isso traz mais produtividade para o setor, mas também expõe os projetos a ataques cibernéticos. O avanço na digitalização pode gerar tentativas maliciosas de obter acesso a dados sensíveis, à interrupção do projeto, interrupção da cadeia de suprimentos, e inclusive, riscos à reputação das partes envolvidas.

Confira o relatório completo aqui

Saiba mais sobre soluções em gerenciamento de riscos para engenharia e construção civil 

A Zattar é especialista em riscos empresariais. Entre em contato e saiba mais!

5 cuidados essenciais para o transporte de carga fracionada

A operação de carga fracionada caracteriza-se pelo transporte de produtos de clientes diferentes, ocupando partes do espaço disponível do caminhão, dentro do mesmo itinerário. A principal vantagem desse tipo de carga é que o valor do frete é proporcional ao espaço ocupado por cada carga no caminhão.

O transporte fracionado é recomendável quando é necessário reduzir custos, trazendo economia à transportadora de diversas formas, por exemplo, pelo menor número de caminhões na estrada para fazer as entregas, gastando menos com motoristas, combustível, manutenção etc.

A empresa que precisa remeter mercadoria também se beneficia, visto que o valor do frete vai ser dividido com outras empresas cujos produtos foram transportados no mesmo caminhão. Essa economia também pode ser repassada ao consumidor final, proporcionando mais competitividade às vendas.

Por isso, este tipo de modalidade de transporte é extremamente interessante para empresas que trabalham com e-commerce, que costumam remeter cargas razoavelmente pequenas para os destinos diversos. Afinal, optar por fazer a movimentação das mercadorias com a carga completa poderia tornar a logística dessas empresas financeiramente inviável.

Quais são os cuidados para a logística de cargas fracionadas?

1 – Ficar atento às características dos produtos

Com a pluralidade de produtos despachados, cada vez mais se faz necessário atenção e segurança dos transportadores com as cargas fracionadas. Os produtos transportados no mesmo veículo devem ser compatíveis, ter características semelhantes. É proibido, por exemplo, transportar alimentos perecíveis junto com remédios ou algum produto químico. Além de estar em conformidade com a legislação, é importante evitar o risco de uma carga danificar ou contaminar a outra durante o transporte.

2 – Elaborar um cronograma logístico

Cumprir com os prazos estabelecidos com os clientes é importante no serviço de transporte de cargas, independente de como está sendo realizado. Mas, vale destacar que no caso da carga fracionada esse ponto merece um cuidado redobrado, justamente porque essa modalidade envolve muitos clientes e diversas paradas. Sendo assim, administrar os prazos combinados com mais de um cliente exige mais atenção ao cronograma. Afinal, se uma entrega atrasar, todas as demais entregas, distribuídas ao longo da rota, podem atrasar também, multiplicando os problemas e a insatisfação dos clientes.

3 – Roteirização adequada

Além de cuidar com os prazos de diferentes clientes, o planejamento da rota também é importante para cumprir um cronograma rígido. Estradas em condições ruins ou passando por obras o podem dificultar a logística onde é importante ter rotas alternativas. Importante ter um cronograma com alguma margem de atraso para evitar que rodovias em más condições comprometam a pontualidade das entregas.

4 – Segurança das estradas

O roubo de cargas é um problema sério no Brasil e no mundo. Quando falamos em carga fracionada, essa ameaça pode ser ainda pior – porque vários clientes podem ser prejudicados a partir de uma ocorrência. Para evitar risco e reduzir prejuízos, é importante tomar algumas providências: monitore seus veículos em tempo real por meio de um rastreador que permita o contato com o motorista em casos de emergência, treine seus motoristas para enfrentar situações inesperadas e de risco, planeje rotas, evite estradas e locais de paradas com maior incidência de roubo. 

A gerenciadora de risco deve trabalhar em conjunto com o transportador e assim elaborar um plano de gerenciamento de risco aderente a operação do cliente, adotando de forma inteligente protecionais de segurança do início ao fim da viagem. Como, por exemplo, rastreador de carreta, tecnologia de redundância com bloqueador, Iscas (RF), escolta, trava de baú, entre outros.

5 – Visibilidade das informações

Monitorar a carga em tempo real ao longo de todo o trajeto é um item fundamental para o controle logístico e a segurança da viagem. O rastreamento ajuda a tomar decisões rápidas em casos de roubo ou outros imprevistos, além de fornecer ao cliente informações da entrega do produto adquirido de forma online, agregando visibilidade, redução dos custos logísticos e transparência das viagens para o contratante e cliente final. 

Eduardo Tavares – Gerente de Operações 

A Zattar Seguros é especialista em gestão de riscos para o segmento de Transporte e Logística

Contamos com uma Central de Controle de Operações para transportadoras, embarcadores e motoristas, formada por profissionais com mais de 15 anos de experiência e atuamos com as melhores seguradoras do país.
Converse com nossos consultores via Whatsapp ou por nossos canais de contato e entenda como podemos proteger o seu negócio.

Principais riscos e características da carga frigorificada

A perda ou comprometimento de uma carga durante seu transporte é a principal preocupação de embarcadores e transportadoras. E quando falamos de produtos ou mercadorias perecíveis, como é o caso da carga frigorificada, temos diversos riscos e normas que exigem cuidados específicos durante todos os processos da operação.  

Alimentos como carnes, laticínios, hortaliças, bebidas, alguns tipos de químicos e remédios são exemplos de cargas que necessitam estar refrigeradas, ou seja, precisam ser mantidas sob temperatura ideal constantemente para conservar suas qualidades essenciais, do carregamento até o seu destino final. No entanto, falhas ocorrem, e isso é um problema comum.

Para se ter ideia, uma pesquisa da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apontou que aproximadamente 14% dos alimentos produzidos para consumo global são perdidos durante o armazenamento e transporte. No caso de frutas e vegetais, o índice supera 20%.

Por isso, normativas como a NBR 14701 preveem as responsabilidades de cada parte envolvida na operação de transporte de cargas refrigeradas. Considerando toda cadeia de produtos refrigerados, a norma indica requisitos como: 

  • Estocagem: a câmara frigorífica deve manter a temperatura do produto sempre no valor desejado, ou mais baixa, com o mínimo de variação. Para isso, devem ser feitas frequentes medidas, preferivelmente com registradores ou instrumentos que monitorem continuamente a temperatura.
  • Deslocamento, carga, descarga e transporte: Deve sempre ser realizado por equipamento (onde os caminhões frigoríficos são mais frequentes Brasil) capaz de manter a temperatura do produto no valor desejado.

É obrigatório que a carroceria frigorífica tenha sua temperatura interna  reduzida e estabilizada pelo período de 15 minutos antes da entrada do produto, além de possuir instrumentos para registro contínuo da temperatura do ar interno e indicador desta temperatura durante o transporte.

O processo de carga e descarga das carnes deve ser realizado da maneira mais rápida possível, evitando, assim, o aumento da temperatura da carga decorrentes de atrasos na carga/descarga ou falhas logísticas. Ainda, o compartimento destinado ao transporte da carga deve estar seco, livre de aromas ou odores e sempre em boas condições de higiene e limpeza.

Os principais riscos no transporte da carga frigorificada

As perdas no transporte de cargas frigorificadas se dão por diversos fatores, sejam eles comuns ao transporte de cargas em geral ou específicos ao tipo da carga. Podemos destacar:

  • Roubo de carga

Dados da Secretária de Segurança Pública do Estado de São Paulo mostram que de janeiro a agosto de 2021 foram 4.131 ocorrências de roubo e furto de cargas no Estado. Isso representa uma alta de 4,71% em relação a igual período de 2020.

Outro relatório, intitulado BSI and TT Club Cargo Theft Report 2021, mostrou que cargas como alimentação e bebidas são as mais visadas por criminosos no Brasil, ocupando 41% das ocorrências.

Por terem alto valor e fácil revenda, são comuns os casos como o deste caminhão carregado com peças de carne, com a carga avaliada em R$ 72 mil, que sofreu o ataque de assaltantes que, levaram a mercadoria e atearam fogo no caminhão, causando perdas à carga e ao veículo.  

  • Falha mecânica

Outro ponto de atenção está na manutenção do veículo, da estrutura que garante o acondicionamento da carga, bem como o treinamento da equipe para identificar e prevenir perdas.

Recentemente, a mídia deu destaque aos prejuízos durante o transporte de medicamentos, diante da urgência gerada pela pandemia. Como este caso ocorrido em Minas Gerais, com a perda de quase 10 mil doses de vacina contra a COVID-19 durante seu transporte devido a uma falha no equipamento que registrava a temperatura das caixas que armazenavam a carga.

  • Embalagem e manuseio

A responsabilidade do transportador começa no carregamento até a entrega no destino final. Por isso, entender as necessidades especiais da carga, quais cuidados para manter o resfriamento adequado durante seu manuseio e até mesmo verificar se a embalagem fornece a segurança ideal durante todo o período em que estiver sendo movimentada.

O transportador tem direito, inclusive, de recusar ou propor outro tipo de empacotamento para a carga que não possui embalagem adequada, ou, ainda, quando o acondicionamento possa trazer danos no veículo ou ponha a saúde das pessoas em risco. O transportador pode também recusar cargas que não possuam documentação exigida por lei ou que tenham sua comercialização ou transporte proibido.

  • Atrasos

Em geral, atrasos durante uma entrega prejudicam o embarcador de diversas formas. Mas quando falamos de transporte de mercadorias frigorificadas, especialmente quando são perecíveis, os atrasos podem significar o comprometimento total da carga. 

Falhas no veículo, problemas logísticos e até mesmo rotas impedidas ou congestionamentos são os principais fatores que geram atrasos durante uma entrega. Por isso, planejar a viagem e contar com recursos de rastreamento são algumas medidas que ajudam a prevenir essa situação.

  • Acidentes

Por fim, podemos destacar também os riscos com acidentes, comum ao transporte de cargas rodoviário, seja ela qual for. De todos os acidentes em rodovias federais do Brasil registrados em 2020, 17,6% envolveram caminhões.

De acordo com o estudo “Acidentes Rodoviários – Estatísticas Envolvendo Caminhões”, realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), a ocorrência de acidentes é potencializada por diferentes fatores: humanos, veiculares, institucionais, socioeconômicos e ambientais

Prevenir prejuízos com a perda da carga por motivo de acidentes, atrasos, roubos, ou falhas mecânicas envolve estratégias de gestão de riscos, que incluem ações de cuidados com o veículo, capacitação dos motoristas, auditorias periódicas, planos de resposta durante um incidente e o seguro para a carga. 

Prevenção de perdas no transporte de cargas na prática

A Zattar Seguros é especialista em prevenção de perdas no transporte de cargas. Confira nosso e-book exclusivo: 20 Dicas práticas para a prevenção de acidentes e roubo de carga.Ou converse com nossos consultores e descubra como podemos proteger seu negócio! Clique aqui para iniciar o contato via Whatsapp.

Seguro Patrimonial para Empresas: veja as principais vantagens e coberturas

Nenhuma companhia está livre de perigos. No entanto, conhecer os riscos aos quais a atividade está exposta e contar com mecanismos que garantem mais segurança diante de imprevistos é fundamental para atuar com mais tranquilidade e alcançar mais competitividade no mercado. 

Por isso, o seguro patrimonial se faz tão importante. A modalidade tem como objetivo proteger e ressarcir empresas quando ocorrem incidentes que podem causar prejuízos financeiros aos negócios e interrupções nas operações. 

Confira neste artigo as vantagens do seguro patrimonial e as principais coberturas indicadas para empresas:

Um olhar mais atento à proteção patrimonial

Diversos fatores ao longo dos anos têm contribuído para que as empresas busquem formas de proteger seu patrimônio dos riscos que podem comprometer suas atividades. 

As relações comerciais, exigências contratuais, maior fiscalização, cenários de incerteza econômica e até mesmo a responsabilidade diante dos investidores fez com que gestores busquem mais segurança. Podemos ver isso na síntese dos principais dados relativos ao desempenho do setor de seguros até outubro de 2021, emitido pela SUSEP, que mostrou que os seguros das linhas patrimoniais, responsabilidade civil (RC) e transporte apresentaram um crescimento acima de 20% na arrecadação de prêmios durante o ano.

Essa é uma tendência global percebida por especialistas que reflete a crescente conscientização quanto ao risco, onde o suporte estrutural de longo prazo fornecido pelo seguro é necessário para o desenvolvimento dos negócios.

De acordo com o estudo sigma do Swiss Re Institute, o crescimento do PIB global será forte em 2021, em 5,6%, diminuindo para 4,1% em 2022 e 3,0% em 2023. A inflação é o risco macroeconômico prevalecente a curto prazo, alimentada pela crise energética e por questões prolongadas do lado da oferta.

Diante disso, o documento aponta que “a recuperação econômica que estamos vivendo é cíclica e não estrutural, com resiliência macroeconômica mais fraca hoje do que antes da crise da COVID-19. Como tal, devemos ser tudo menos complacentes. Dada sua capacidade e experiência para absorver riscos, a indústria de seguros é crucial para tornar as sociedades e economias mais resilientes.”

Em paralelo, as operadoras oferecem soluções aplicáveis a todo tipo de negócio, independente do porte ou área de atuação – sendo essa umas das principais vantagens do seguro patrimonial para empresas. 

Vantagens do seguro para empresas

O seguro patrimonial para empresas, também conhecido como compreensivo empresarial, é destinado a atividades comerciais, industriais ou serviços, ou, ainda, a imóveis não residenciais.

Trata-se de um plano que conjuga vários ramos ou modalidades numa mesma apólice. Entre seus benefícios estão as taxas reduzidas em relação aos chamados seguros convencionais. As cláusulas são menos restritivas e de mais fácil compreensão pelos segurados. 

Outro diferencial é sua estrutura modular, com ampla gama de coberturas e garantias acessórias, permitindo ao segurado a escolha das mais adequadas às suas necessidades, o que resulta na montagem de um seguro “personalizado”.

O que o seguro patrimonial cobre?

Os seguros compreensivos do grupo patrimonial visam garantir o pagamento de indenização por prejuízos decorrentes de perdas e danos aos bens segurados, em consequência de risco coberto.  

Entre as principais coberturas indicadas para empresas, podemos destacar:

  • Seguro contra incêndio

A cobertura de incêndio prevê o pagamento de indenização por prejuízos ocorridos pela propagação do fogo. 


Vale ressaltar que é obrigatório o seguro contra riscos de incêndio de bens móveis e imóveis pertencentes a pessoas jurídicas, conforme previsto no Decreto-Lei nº 73/66 e no Decreto nº 61.867/1967, e sua contratação se dá por meio de seguro compreensivo. 

  • Proteção contra roubo e furto

Mesmo com investimentos e estratégias de prevenção de riscos com sistemas avançados de segurança, como câmeras, alarmes, cercas elétricas e vigilância constante, as empresas podem se deparar com problemas de furto ou roubo – dado que os criminosos utilizam recursos cada vez mais sofisticados.

Por isso, contratar a cobertura para subtração de bens é uma forma de tornar a proteção ainda mais completa, no sentido de evitar prejuízos quando ocorrem danos.

  • Desastres naturais

Outra cobertura importante para empresas envolve desastres naturais. Diversas regiões do Brasil apresentam uma grande probabilidade de tempestades, chuvas de granizo, deslizamentos de terra e inundações, por exemplo, que podem causar prejuízos às empresas.

Com os danos causados em decorrência dos desastres naturais, as companhias podem ter suas estruturas comprometidas,  gerando interrupções nas produções, atrasos, perdas de máquinas, estoque e equipamentos. No entanto, com a cobertura para tais ricos a situação pode ser resolvida com mais agilidade e suporte necessário.

  • Responsabilidade Civil

Por fim, podemos destacar a responsabilidade civil também entre as principais coberturas para seguros patrimoniais para empresas. Essa modalidade tem por objetivo fornecer segurança jurídica para a empresa.

A RC oferece proteção ao segurado quanto a possíveis ações judiciais, reclamações ou qualquer dano que seja causado a terceiros e seus bens dentro da empresa.

Ou seja, a cobertura protege na esfera civil os prejuízos que clientes, funcionários, prestadores de serviço tenham sofrido em decorrência de um incidente. Isso inclui todo suporte com custos advocatícios e possíveis indenizações.

Conte com um seguro personalizado para o seu negócio

Os especialistas da Zattar Seguros contam com experiência e conhecimento técnico para oferecer soluções em riscos empresariais otimizando seus investimentos e dando a segurança que a sua empresa precisa. Entre em contato e saiba mais!

Cuidados no transporte Last Mile

Alta demanda nos fretes em e-commerces alerta para os cuidados em uma das principais etapas logísticas da venda: o last mile. Confira neste artigo alguns cuidados especiais e estratégias importantes para empresas que atuam no setor.

O consumo online no Brasil bateu recorde de vendas no primeiro semestre de 2021, atingindo R$ 53,4 bilhões – crescimento de 31% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o relatório Ebit | Nielsen.

A compra via e-commerce é uma prática que já vinha crescendo, mas os impactos da pandemia do coronavírus aumentaram expressivamente esses números, fazendo o comércio online crescer em níveis jamais vistos nos últimos 20 anos e gerando uma importante demanda logística

Sucesso nas entregas é o sucesso nas vendas

A maioria das empresas acredita que priorizar o investimento em logística é o mais importante quando o tema é sanar as dores do negócio e dos clientes. Segundo uma pesquisa realizada pela Omni Envios em parceria com o E-Commerce Brasil, 72% dos entrevistados apontaram a logística como ponto a ser trabalhado.

Segundo 56% dos lojistas, a entrega rápida é o ponto mais valorizado pelos consumidores de e-commerce. Logo atrás está a busca por um atendimento humanizado (52%) e frete grátis (44%).

Ainda falando sobre logística, 48% das empresas utilizam o envio pelos Correios como forma mais recorrente de entrega das compras. O envio por transportadoras vem em segundo lugar, com 40% das preferências.

De olho no transporte last mile

Diante desse cenário, o transporte last mile, ou “última milha” ganhou grande importância. Isso porque essa operação é caracterizada como a etapa final do envio de uma carga, entre o centro de distribuição e o seu destino. 

Esta etapa se diferencia pela agilidade e rapidez durante os processos. Afinal, a satisfação do cliente com a marca é diretamente influenciada pela experiência que ele teve durante o recebimento da mercadoria. Logo, a transportadora se torna um agente importante para o sucesso das vendas, e é necessário administrar muitos riscos para obter êxito em seus serviços.

Principais riscos do transporte na etapa last mile

O transporte rodoviário de cargas é a principal modalidade de transporte no Brasil, inclusive na etapa last mile. No entanto, há uma série de fatores que podem trazer prejuízos à rentabilidade das operações e à reputação da transportadora. Entre os principais riscos e ameaças da atividade, podemos destacar:

  • Atrasos 

A infraestrutura das estradas, o alto fluxo de carros e caminhões, imprevistos com falhas mecânicas, por exemplo, são fatores que acabam gerando atrasos nas entregas e situações de tensão entre os envolvidos. 

Para se ter ideia, o Procon SP recebeu mais de 120 mil queixas relacionadas à entrega e a não chegada das mercadorias adquiridas. Isso representa um crescimento de 260% na comparação com o primeiro semestre de 2019, que teve um pouco mais de 30 mil reclamações no período. 

  • Acidentes

De acordo com o estudo “Acidentes Rodoviários – Estatísticas Envolvendo Caminhões”, realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), a ocorrência de acidentes é potencializada por diferentes fatores: humanos, veiculares, institucionais, socioeconômicos e ambientais.

Na realidade das estradas do Brasil, a baixa qualidade na infraestrutura é um dos maiores desafios para motoristas.

O anuário publicado pela CNT em 2020, revela que 59,2% das rodovias avaliadas, em 2019, apresentaram algum tipo de problema no estado geral. 47,6% dos trechos avaliados têm problemas no pavimento, 48,1% dos trechos avaliados apresentam deficiência na sinalização. Ainda, 75,7% dos trechos avaliados têm falhas na geometria

  • Roubo/Furto

O Brasil registrou 14 mil ocorrências de roubos de cargas em 2020, de acordo com a NTC&Logística. 

De acordo com o estudo BSI and TT Club Cargo Theft Report 2021, entre as modalidades de transporte de cargas no mundo, o transporte com caminhão ocupa 71% das ocorrências, sendo que a maior parte dos incidentes acontece em trânsito. 

O sequestro é o método de roubo dominante na América Latina (61%), inclusive no Brasil, com ladrões também frequentemente empregando o uso de armas de fogo para render o motorista durante o roubo. 

Outro dado interessante é que também cresce o índice de ocorrências de roubos ou furtos em armazéns – principalmente na Ásia e Europa.

Atenção com a sazonalidade

Outro fator importante quando o assunto é transporte last mile, é o preparo que as empresas devem ter com os períodos de pico no comércio. Para se ter ideia, as vendas no e-commerce brasileiro durante a Black Friday 2021 totalizaram R$ 4,2 bilhões, com um crescimento nominal de 5% em relação a 2020, conforme relatório da NielsenIQ|Ebit.

Para o Natal 2021, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima uma movimentação de R$ 34,3 bilhões no comércio, que deve impactar também as vendas pela internet. 

Tais datas especiais para os lojistas e transportadoras, exigem um planejamento logístico maior para prevenir possíveis problemas e prejuízos durante a entrega das mercadorias. 

8 cuidados para proteger produtos e mercadorias durante o transporte last mile

  • 1 – Buscar um Seguro de Transportes para coberturas de roubo, avaria, acidentes e viagens internacionais; 
  • 2 – Utilizar plataforma web para simplificar a gestão da logística e a comunicação com transportadores, com foco nos melhores resultados, menores custos, além de entregas mais rápidas e o monitoramento de todas as fases da operação. 
  • 3 – Adotar um Gerenciamento de Risco diferenciado pensando na sazonalidade da operação. Busque empresas de GR no mercado com credibilidade e que entendam dos riscos deste tipo de transporte;
  • 4 – Realizar o Cadastro dos motoristas e o checklist de segurança dos veículos;
  • 5 – Adotar Rastreamento ostensivo 24h, com controle da rota, ações de entrada e saída de alvos, controle dos locais de paradas, equipamentos de redundância e regras bem definidas entre o Segurado x Corretora x Gerenciadora de Risco;
  • 6 – Quando possível, utilizar protecionais adicionais de segurança para dificultar o acesso ao veículo ou que possibilitem recuperação da carga por exemplo:  tela de janela com sensor, trava externa do baú, localizador fixo na carreta, equipes de pronta resposta, escolta velada, iscas nas cargas entre outros.
  • 7 – Programar paradas estratégicas durante a viagem em locais avaliados previamente pela GR e durante a parada manter comunicação constante com o motorista;
  • 8 – Realizar treinamento com as equipes, onde a GR tem um papel importante neste processo. Constantemente a GR deve avaliar as áreas de riscos, movimentação das quadrilhas, não conformidades durante a viagem e de forma inteligente direcionar as ações de segurança junto ao segurado e as equipes envolvidas no transporte e logística.

A Zattar Seguros é especialista em gestão de riscos para o segmento de Transporte e Logística

Contamos com uma Central de Prevenção de Perdas para transportadoras, embarcadores e motoristas, com mais de 15 anos de experiência e atuamos com as melhores seguradoras do país.

Converse com nossos consultores via Whatsapp ou por nossos canais de contato e entenda como podemos proteger o seu negócio.

Gestão de Riscos: Estratégias de prevenção de perdas no transporte de cargas

Evitar danos e avarias durante a movimentação de produtos e mercadorias é um dos maiores desafios do transporte rodoviário. Toda companhia que atua no setor sabe que para chegar ao seu destino, a carga fica exposta a diversos riscos, por isso, contar com estratégias de prevenção de perdas é indispensável para garantir a segurança e a rentabilidade da atividade.

As ocorrências são comuns e os prejuízos são muitos. Além de gerar uma insatisfação para o embarcador ou cliente final, afetando a reputação da empresa, esse tipo de problema também implica, por um lado, no aumento do custo do frete e, por outro, na margem de lucro.

Podemos tomar como exemplo os índices do transporte no agronegócio. Em 2020, perdeu-se cerca de 1,58 milhão de toneladas de soja e 1,34 milhão de toneladas de milho nas rodovias brasileiras, segundo levantamento do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (EsalqLog). Essa é uma questão que levanta discussões sobre o desperdício de alimentos, sustentabilidade e impactos econômicos, exigindo um grande empenho por parte das empresas e governo.

São diversos fatores que contribuem para essas perdas. Mas, como transportador, é importante entender que existe uma responsabilidade pela integridade da carga, entenda melhor abaixo.

Responsabilidade civil no transporte rodoviário de cargas e mercadorias

O transporte de cargas é cercado de obrigações, direitos e deveres. O vínculo jurídico impõe que o responsável pela movimentação do produto ou mercadoria deverá cumprir a prestação do serviço conforme estabelecido em contrato com o credor, ou seja, o embarcador.

A RC para transporte de cargas e mercadorias está, inclusive, prevista na Lei nº 10.406/2002. O Código Civil entende que a responsabilidade do transportador deve ser limitada ao valor da “coisa” transportada – conforme declarado na nota fiscal. A empresa responsável pela movimentação da mercadoria deve conduzi-la ao destino sem avarias, sendo que a responsabilidade começa no ato da coleta e termina com a sua entrega

Além disso, existe ainda a Lei 11.442, que trata do transporte de cargas e mercadorias especificamente para o modal rodoviário.

Essa Lei determina que o transportador é responsável “pelos prejuízos resultantes de perda, danos ou avarias às cargas sob sua custódia.” Portanto, a responsabilidade pela perda ou avaria de mercadoria em razão de um evento como um acidente de trânsito é do transportador.

A responsabilidade do transportador é objetiva perante o dono da carga. Isso significa que, independente da comprovação de culpa ou não no acidente que veio a causar a perda da carga, ele deverá ressarcir financeiramente o cliente por esse dano.

Diante disso, todo transportador deve contar com mecanismos que garantem um suporte em caso de sinistro, como é o caso do seguro obrigatório RCTRC-C, e até mesmo ações que previnem tais ocorrências.  

Como evitar perdas no transporte de cargas?

A prevenção de perdas no transporte de cargas começa com o planejamento. Isso inclui analisar as ocorrências ao longo dos anos – tanto por experiências internas quanto pelos índices do setor, e avaliar quais medidas necessárias para prever possíveis eventos que causam danos e avarias à carga. 

Entre os principais pontos de atenção estão ações como mapeamento da rota, bem como estabelecer os melhores dias e horários, uso de rastreadores, entender as características do carregamento e cuidados específicos que podem necessitar. 

A condição da carga também é um fator importante. Inclusive, o transportador tem direito de recusar ou propor outro tipo de empacotamento para a carga que não possui embalagem adequada, ou, ainda, quando o acondicionamento possa trazer danos no veículo ou ponha a saúde das pessoas em risco. O transportador pode também recusar cargas que não possuam documentação exigida por lei ou que tenham sua comercialização ou transporte proibido.

Outras medidas que podemos destacar:

  • Manutenção da frota e qualificação de motoristas:

A falha mecânica e falha humana são os principais causadores de acidentes nas rodovias. O monitoramento das condições da frota é fundamental para evitar acidentes e, inclusive, multas. Em paralelo, fornecer boas condições de trabalho, estimular boas práticas de direção e acompanhar a saúde dos motoristas é igualmente importante para mais segurança e prevenção. 

  • Riscos de acidentes, furtos e roubos

De acordo com o Painel de Acidentes Rodoviários, elaborado pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), que utiliza dados da PRF (Polícia Rodoviária Federal), entre 2010 e 2020, foram registrados mais de 1,4 milhão de acidentes nas rodovias federais no país. Diversos são os fatores que causam esse tipo de ocorrência: falhas humanas, problemas veiculares, deficiências viárias, entre outros. 

Em paralelo, o roubo de cargas é também considerado um dos grandes riscos da atividade. O Brasil é o país com o maior índice de roubo de cargas a nível mundial, sendo que o transporte com caminhão ocupa 71% das ocorrências e a maior parte dos incidentes acontece em trânsito.

Com mais de 14 mil ocorrências durante o ano de 2020, de acordo com a CNT, os prejuízos computados ao setor somam R$ 1,2 bilhão.

  • Seguro para cargas

A contratação de um seguro é a melhor maneira de minimizar qualquer impacto financeiro após um incidente que cause danos ou perdas à carga. O RCTRC-C é o seguro de Responsabilidade Civil do transportador rodoviário de carga. É um seguro obrigatório para o transporte de cargas em todo território nacional, conforme decreto desde 1966 e se destina a cobrir os danos causados por acidentes rodoviários.

Outras modalidades de seguro também são importantes para o setor. Por exemplo, o RCF-DC – Seguro Responsabilidade Civil Facultativa de desaparecimento de cargas, que tem por objetivo garantir a cobertura do valor protegido no caso de roubo ou furto da carga transportada.

  • Gerenciamento de riscos

O gerenciamento de riscos é a principal estratégia para otimizar recursos e proteger transportadoras, empresas e motoristas de danos e perdas em suas operações. Trata-se de um conjunto de ações que vão prevenir, proteger e otimizar os investimentos na segurança. 

Prevenção de perdas no transporte de cargas na prática

A Zattar Seguros é especialista em prevenção de perdas no transporte de cargas. Confira nosso e-book exclusivo: 20 Dicas práticas para a prevenção de acidentes e roubo de carga.

Ou converse com nossos consultores e descubra como podemos proteger seu negócio! Clique aqui para iniciar o contato via Whatsapp. 

Seguro de Cargas: Não tenha problemas com a averbação

O seguro de cargas é o principal recurso para proteger suas operações de danos ou perdas durante o transporte. No entanto, quando ocorre um incidente, para receber o suporte que você necessita com agilidade e tranquilidade é fundamental que toda documentação pertinente aos bens segurados esteja correta. Um dos pontos mais importantes desse processo é a averbação da carga

Ter dúvidas ou falhas na contratação de apólices para suas cargas pode gerar muita dor de cabeça. Por isso, contar com uma consultoria experiente faz toda diferença. Quer entender tudo sobre averbação para transporte de cargas? Clique aqui para falar com os especialistas da Zattar, e confira as informações abaixo!  

Neste artigo você vai ver:

  • O que é averbação de carga
  • Por que a averbação é tão importante para o seguro de cargas
  • Averbação de cargas manual
  • Averbação de cargas eletrônica

O que é averbação de carga

O ato de averbar a carga consiste em registrar e informar à seguradora sobre os bens ou produtos transportados. Sendo assim, este deve ser realizado em todas as operações, antes de cada viagem.

Trata-se de um procedimento obrigatório para o transporte de cargas em território nacional e é ele quem dá direito à indenização quando o seguro obrigatório de cargas RCTR-C precisa ser acionado

Averbação de cargas para o RCTR-C

O RCTRC-C é o seguro de Responsabilidade Civil do transportador rodoviário de carga. Ou seja, esse é um seguro contratado pela transportadora especificamente para cobrir os danos causados por acidentes rodoviários.

A obrigatoriedade do RCTR-C está prevista em lei, conforme decreto desde 1966:

DECRETO-LEI Nº 73, DE 21 DE NOVEMBRO DE 1966:

“Art 20. Sem prejuízo do disposto em leis especiais, são obrigatórios os seguros de:

m) responsabilidade civil dos transportadores terrestres, marítimos, fluviais e lacustres, por danos à carga transportada.”

DECRETO No 61.867, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1967:

“Art 10. As pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado que se incumbirem do transporte de carga, são obrigadas a contratar seguro de responsabilidade civil em garantia das perdas e danos sobrevindos à carga que lhes tenha sido confiada para transporte, contra conhecimento ou nota de embarque.”

O RC de Transporte Rodoviário de Cargas tem como objetivo reparar danos causados às mercadorias transportadas de terceiros, desde que em decorrência de um acidente com o veículo transportador, considerando sua cobertura básica. Mas é importante destacar que para tornar o seguro válido, é imprescindível a averbação da operação de transporte.  

Através do registro da movimentação é possível manter o controle das cargas seguradas. Logo, com base nesses dados, é determinado o valor do prêmio e, em caso de sinistro, pode ser providenciado o ressarcimento.

Leia mais: RCTR-C e RCF-DC: O que são esses termos e quais as diferenças entre eles? 

Como averbar o seguro de carga

Existem duas formas de fazer a averbação do seguro de cargas. Menos usual, a averbação manual consiste em repassar para a seguradora os dados de cada carga a ser transportada. Esse processo pode ser realizado com o auxílio de planilhas ou até mesmo feito manualmente a partir de um formulário no site da seguradora ou do sistema AT&M. 

Importante destacar que a averbação manual muitas vezes se torna um processo trabalhoso, compromete a produtividade e tem mais margem para erros – especialmente para transportadoras com grande fluxo logístico. Isso significa um grande risco em não ter as informações de acordo e problemas para o recebimento de indenizações em caso de sinistro.

Para evitar esse tipo de situação, existe a averbação eletrônica. Com o auxílio de softwares é possível prevenir erros de digitação, pois os dados saem diretamente do sistema da transportadora para o sistema de averbação escolhido pelo segurado.

Com diversas possibilidades de integração, a transportadora pode personalizar o sistema de averbação eletrônica de modo que se adeque ao seu modelo de negócio. Assim, é possível organizar dados contidos no Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e), como valor da carga transportada, origem e destino, dados do veículo e do motorista, entre outras informações pertinentes à averbação e controle das apólices. 

Averbações de carga no Brasil em 2021

No primeiro quadrimestre de 2021 foram registrados R$ 2,9 trilhões em movimentação de cargas no País, sendo que no mesmo período do ano passado, foram contabilizados R$2,1 trilhões, um aumento de 38,63%, segundo o relatório “Índice da Movimentação de Cargas do Brasil” desenvolvido pela AT&M, empresa de tecnologia de processo de averbação eletrônica para seguros de transporte de cargas. A base de dados do levantamento é formada por mais de 25 mil empresas, entre transportadoras, operadores logísticos e embarcadores. 

No primeiro quadrimestre de 2021 foram 327 milhões de documentos averbados que representam os pedidos de transportes realizados, sendo que no mesmo período do ano passado foram 185 milhões documentos averbados.

Gestão de riscos e seguro de carga

O transporte de cargas é uma atividade que envolve muitos riscos. É essencial contar com mecanismos que garantem proteção para a transportadora e seus clientes. No entanto, entender as ameaças, conhecer as melhores opções de seguros oferecidas pelas seguradoras e estar em conformidade com os contratos e legislação é um grande desafio.

Toda essa demanda pode ser supervisionada pela Gerenciadora de Riscos, dando mais tranquilidade para o administrador dar atenção para o desenvolvimento do seu negócio. 

A gerenciadora vai atuar no acompanhamento de todas as etapas da operação para que a carga esteja no local desejado e no prazo previsto. Isso também inclui, intervir e dar o suporte necessário diante de algum incidente que possa impedir ou atrasar a entrega, evitando, assim, danos e prejuízos financeiros a toda a cadeia (embarcador, transportador, motorista, terceiros, etc.).

A Zattar Seguros é especialista em prevenção de perdas para o segmento de Transporte e Logística

Contamos com uma Central de Prevenção de Perdas para transportadoras, embarcadores e motoristas, com mais de 15 anos de experiência e atuamos com as melhores seguradoras do país.

Converse com nossos consultores via Whatsapp ou por nossos canais de contato e entenda como podemos proteger o seu negócio. 

O que esperar da Black Friday em 2021?

Tradicionalmente, a Black Friday ocorre na última sexta-feira do mês de novembro, sempre após o feriado americano de Ação de Graças.  Não são só os varejistas que esperam ansiosamente pelo período, os consumidores também aproveitam o momento para comprar os produtos que desejam com mais desconto o que, na verdade, os tornam os grandes protagonistas da data.

A principal tendência para a Black Friday deste ano está diretamente relacionada ao poder do consumidor na pesquisa e comparação de preços muito antes de sair às compras. As Empresas da Varejo fazem com que o cliente tenha todas as informações na palma da mão. Mesmo aqueles que optam por realizar suas compras na loja física, utilizam o recurso da pesquisa para comparar valores.

Assim como a Black Friday 2019 foi um parâmetro para o crescimento da edição de 2020, o comportamento do consumidor no ano passado é um termômetro que sinaliza aquilo que podemos esperar da Black Friday 2021.

Com a pandemia em 2020 tivemos a Black Friday mais digital da história, o cenário do comércio eletrônico deve se expandir ainda mais em 2021. Os dados e as pesquisas revelam que, em 2020, o varejo físico declinou enquanto o e-commerce cresceu. Além disso, todas as tendências relacionadas ao comportamento do consumidor demonstram a maturidade que o consumidor digital atingiu. 

Atender ao pico de demanda que acontece durante o período não é tarefa simples, as empresas têm que saber lidar com atrasos e problemas nas entregas, onde é necessário um planejamento prévio e minucioso nas estratégias de vendas, logística e de segurança do processo de entrega ao consumidor. A falta de planejamento e estratégia pode afetar a imagem da marca, gerar frustração de receita da empresa, insatisfação e perda de clientes.

Então como prevenir os riscos de transporte durante a Black Friday? 

A Zattar Seguros elaborou algumas dicas visando a logística eficiente e a elevação do nível de segurança do transporte durante este período, confira:

1 – Buscar um Seguro de Transportes para coberturas de roubo, avaria, acidentes e viagens internacionais; 

2 – Utilizar plataforma web para simplificar a gestão da logística e a comunicação com transportadores, com foco nos melhores resultados, menores custos, além de entregas mais rápidas e o monitoramento de todas as fases da operação. 

3 – Adotar um Gerenciamento de Risco diferenciado pensando na sazonalidade da operação. Busque empresas de GR no mercado com credibilidade e que entendam dos riscos deste tipo de transporte;

4 – Realizar o Cadastro dos motoristas e o checklist de segurança dos veículos;

5 – Adotar Rastreamento ostensivo 24h, com controle da rota, ações de entrada e saída de alvos, controle dos locais de paradas, equipamentos de redundância e regras bem definidas entre o Segurado x Corretora x Gerenciadora de Risco;

6 – Quando possível, utilizar protecionais adicionais de segurança para dificultar o acesso ao veículo ou que possibilitem recuperação da carga por exemplo:  tela de janela com sensor, trava externa do baú, localizador fixo na carreta, equipes de pronta resposta, escolta velada, iscas nas cargas entre outros.

7 – Programar paradas estratégicas durante a viagem em locais avaliados previamente pela GR e durante a parada manter comunicação constante com o motorista;

8 – Realizar treinamento com as equipes, onde a GR tem um papel importante neste processo. Constantemente a GR deve avaliar as áreas de riscos, movimentação das quadrilhas, não conformidades durante a viagem e de forma inteligente direcionar as ações de segurança junto ao segurado e as equipes envolvidas no transporte e logística.


Eduardo Tavares – Gerente de Operações